quarta-feira, 15 de setembro de 2010

Como Vencer As Dez Causas Do Fracasso

     As causas do fracasso se localizam numa área confusa e vasta: a cultura dentro da qual vivemos, nossas definições das duas palavras, sucesso e fracasso, nossa máscara psicológica individual. Devemos olhar o mundo como se apresenta diante de nós. Se conhecermos e conquistarmos mesmo algumas causas teremos removido os obstáculos mais obstinados da trilha para o verdadeiro sucesso. Ninguém pode fazê-lo por você. É você quem deve desobstruir sua própria trilha.

     O primeiro obstáculo é aquele velho truque de pôr a culpa nos outros. Isso não é o mesmo que se preocupar com o que os outros pensam (têm ou fazem). É a atribuição real de responsabilidade aos outros. Um homem doente que acredita em bruxaria pergunta: "quem fez isto? Ao passo que o homem que se orienta pela medicina pergunta: o que me fez isto? É a mente primitiva e imatura que busca a causa dos medos e fracassos fora de si mesma.

     Poucos admitem: talvez o erro seja meu. Quando a punição é iminente, é instintivo culpar alguém. Não reconhecemos o fracasso pelo que é e, consequentemente, não podemos lidar com ele. Em lugar disso construímos homens de palha, os abatemos diversas vezes e perdemos dias numa batalha que não podemos vencer. A batalha que deveríamos estar travando se acha dentro de nós mesmos; a batalha que, se dermos valor, não podemos perder.
* * *
     O segundo obstáculo é o oposto do primeiro: a tendência imediata de se culpar, mesmo em segredo. Em vez de combater o problema que está por trás do erro e lutar para resolvê-lo para evitar que aconteça de novo nós nos culpamos (como se fôssemos fracassados congênitos) e deixamos ficar.

     Esse é um modo de pensar pernicioso e uma prática perigosa. Planta em profundidade os sentimentos de inferioridade e insegurança que irão mais tarde florescer como ervas daninhas dominando "o jardim bem-arrumado do pensamento". Abraham Lincoln, que errou muitas vezes mas estava longe de ser um fracasso, disse certa vez: "Minha maior preocupação não é se errei, mas se estou contente com meu erro."

     Quando o General Willian F. Dean foi libertado pelos comunistas que o mantinham preso, conta-se que um jornalista perguntou o que o manteve vivo durante aqueles três anos de infortúnio. "Nunca senti pena de mim mesmo", respondeu o general, " e foi isso que me fez resistir."     A autopiedade atormenta mais pessoas do que qualquer outra coisa e eu diria que fazer a culpa recair sobre si mesmo é ainda pior, porque é uma das principais causas da autopiedade.

     Toda culpa fecha a porta para o autodesenvolvimento. Por trás da porta fechada a personalidade de alguém pode se retirar para sempre; pode definhar em extrema melancolia.
* * *
     O terceiro obstáculo é não ter objetivos. Algumas pessoas passam pela escola como se estivessem fazendo um favor aos pais. No emprego, trabalham na mesma rotina monótona, interessados no contracheque no final do mês. Não possuem um objetivo.
Não ter objetivo é mau, mas ter um objetivo insignificante é pior.
     Existe uma história do cachorro que se vangloriava de ser capaz decorrer mais do que qualquer coisa sobre quatro patas. Saiu em perseguição a um coelho, mas logo em seguida ficou para trás. Os outros cachorros riram de maneira zombeteira. Ele deu os ombros: "não esqueçam que o coelho corria para salvar a sua vida. Eu corria apenas pelo prazer de pegá-lo." Muitas pessoas desperdiçam talentos às custas dos outros, em prazeres sem valor.

     Outros estão sempre esperando que alguma coisa aconteça. O objetivo é uma "chance". Esperam pelo barco das ilusões perdidas e os instintos pela vida atrofiam seus cérebros e seus corpos. Quando o barco atraca, não estão prontos. Alguns insistem em ficar esperando, que a juventude passa e as oportunidades também.

     Não importa se nos sentimos entusiasmados ou desapontados, ocupados ou entediados. Isso é a vida...e está passando... O que estamos esperando?
* * *
     O quarto obstáculo é escolher os objetivos errados. Os chineses falam de um homem de Beijing que sonhava com ouro. Um dia ele vestiu seus melhores trajes e se dirigiu ao mercado apinhado de gente. Foi diretamente para a barraca de um comerciante de ouro, roubou uma bolsa cheia de moedas de ouro e foi-se embora calmamente. Os guardas que o prenderam ficaram atordoados:
- Porque você roubou o comerciante de ouro em plena luz do dia? perguntaram. - E na presença de tanta gente?
- Eu não vi ninguém. Só vi o ouro.
     Quando o ouro ou a glória, o poder ou a posição se tornam uma idéia fixa, normalmente ficamos cegos não só para as necessidades dos outros mas também para as nossas próprias necessidades. Descobrir depois de muitos anos de luta que alcançar o objetivo de nossos esforços não trará felicidade, é muito triste. A maioria de nós acoberta o erro através dos anos pois mais nenhuma escolha é possível. Aqui está um paradoxo perigoso: a maior parte de nossas opções é feita quando ainda somos jovens; mesmo assim o homem responsável não pode seguir conselhos, Deve descobrir por si mesmo tudo sobre a vida. É necessário uma grande honestidade e seriedade para fazer uma escolha confiante e firme antes que seja tarde demais.* * *
     O Quinto obstáculo é o atalho. Maureen Conolly de 16 anos, derrotou Doris Hart nas semifinais do Torneio de Simples para Mulheres. Sua adversária, segundo os especialistas, nunca jogou melhor. Mas a campeã de Wimbledon e favorita do torneio não foi páreo para a adolescente daCalifórnia e foi derrotada set após set. Mary H. Hare, ex-campeã inglesa e veterana da Copa Wightman, correu para o salão de jantar a fim de cumprimentar a Srta. Conolly. Mary disse à Maureen: "se puder ficar pronta em 30 minutos eu gostaria de treinar!" Jogaram por mais de uma hora. No dia seguinte, Maureen ganhou o Campeonato Nacional.

     Uma corrente elétrica seguirá a linha de menor resistência; mas uma lâmpada se acende é exatamente porque ali há resistência...
     Muitos escolhem instintivamente o caminho mais rápido, fácil e curto para o sucesso, apenas para descobrir que o sucesso era ilusório; que a lâmpada não acendeu. Nenhuma conquista pode ser alcançada sem um trabalho árduo.
     Muitas vezes o atalho, a linha de menor resistência, é responsável pelo sucesso insatisfatório e efêmero. Muitas vezes o atalho é responsável pela escolha dos objetivos inadequados.

     Existem outros atalhos. Um deles é a recusa em observar as regras de decência e honestidade estabelecidas. Um grande número de nossos homens de negócios de grande categoria poderiam ter sido tão ricos, tão poderosos, porém mais respeitados e infinitamente mais felizes, se tivessem tomado e estrada mais longa e mais lenta da absoluta integridade ética e decência moral.

     O hábito de negociar trapaceando e guiar-se pela crueldade pareceu necessário ao sucesso; foi certamente mais rápido e mais lucrativo.
     Barnum estava certo num ponto: a cada minuto nasce um otário. E agradeça a Deus pelos otários da decência, são o sal da terra. São aqueles nos quais a possibilidade de felicidade não morreu.
* * *
     O Sexto obstáculo é exatamente o oposto do quinto: escolher a longa estrada.
Existem homens que morrem subitamente logo no momento em que faziam planos para usar sua fortuna arduamente acumulada. A sua família descreve a longa e difícil estrada que percorreram para conquistar o sucesso e que quando poderiam estar tranqüilos e "ter tudo a que tinham direito", foram levados.

     Foi uma pena que eles não tivessem parado mais cedo na estrada; que não tivessem ficado satisfeitos com menos sucesso material e se realizado antes... O caminho mais longo nem sempre é a melhor maneira de chegar em casa. Muitas vezes, se você espera ou viaja demais, nunca chega em
casa.
* * *
     O Sétimo obstáculo é negligenciar pequenas coisas. Esta história provavelmente é apócrifa, contudo bastante reveladora: O Presidente McKinley estava num dilema; precisava escolher um entre dois homens igualmente capazes para um alto posto diplomático. Ambos eram velhos amigos. Lhe veio à memória um fato que o ajudou a tomar a decisão...

     Numa noite chuvosa, Mckinley tomou um bonde e ocupou o último banco vago, na parte traseira, quando uma velha lavadeira subiu com uma pesada cesta de roupas. Permaneceu de pé no corredor; e apesar de sua idade e de sua aparência de desânimo, ninguém lhe cedeu o lugar.
     Um dos candidatos dele, bem mais jovem nessa época, estava sentado perto dela, imerso na leitura do jornal, e cuidou de permanecer assim, de forma a poder ignorar a presença da velha. McKinley levantou-se, dirigiu-se para a mulher, apanhou a cesta e conduziu-a até o seu lugar. O homem não ergueu os olhos, não soube o que aconteceu, nem nunca veio a saber que seu ato de egoísmo, mais tarde, o privou de uma embaixada, o coroamento de sua ambição.

     Existem milhares de histórias que realçam a importância de pequenas coisas. Um documento sem assinar, pedaços de carvão em brasa deixados na lareira. Edison perdeu uma patente devido a um ponto decimal fora de lugar. Nenhum homem e nenhuma tarefa são pequenos. O bom executivo mantém seu dedo sobre as coisas pequenas, pois se forem mal conduzidas, podem vir a se tornar grandes problemas. Devemos prestar atenção aos detalhes; devemos zelar por eles.* * *
     O oitavo obstáculo é desistir cedo demais. Rafael Solano, desencorajado e fisicamente exausto, sentou-se à margem do leito seco do rio e anunciou para seus dois companheiros:
- Chega! Não adianta ir mais longe. Vocês vêem esta pequena pedra?
Completa as 999.999 que apanhei e até aqui nenhum diamante. Se eu apanhar mais uma completará um milhão... mas de que serve? Desisto..
     Foi em 1942; os três homens passaram meses garimpando diamantes em cursos d'água na Venezuela. Trabalharam encurvados, apanhando pedrinhas, desejando por um único sinal de diamantes. Estavam em farrapos mas nunca haviam pensado em desistir até Solano dizer "chega". Um deles respondeu:
- Apanhe mais uma e complete um milhão.
- Está bem disse Solano e, curvando-se enfiou a mão numa pilha de seixos e disse:
- Aqui está. Mas era muito pesado. Então gritou:
- Rapazes, é um diamante!
     Um comerciante de jóias de Nova York, pagou a ele 200 mil dólares pelo milionésimo seixo. Seu nome é Liberator, o maior e mais puro diamante jamais encontrado.
     Um velho aforismo de caçador nos ensina que metade dos fracassos em nossas vidas são causados por segurar o cavalo no meio do salto. Muitas vezes o que faz a diferença entre o sucesso e o fracasso não é o começo errado, mas a parada errada.
* * *
     O nono obstáculo é o fardo do passado. Durante toda a vida precisamos viver com nossas lembranças, ao envelhecermos passamos a depender cada vez mais delas, até que um dia talvez sejam tudo que deixamos. Podem ser depressivas, amargas, humilhantes e atormentadoras, ou alegres, simpáticas, confortantes e que nos proporcionam respeito por nós mesmos. As coisas que entraram são as que sairão, não importa se as colocamos lá ou se fomos obrigados a recebê-las.

     As lembranças depressivas tendem a congelar e a endurecer; carregamos essas lembranças como fardos e perdemos nossa capacidade de transformá-las em energia criativa.

     A preocupação com o passado é sempre um refúgio. Uma velha piada de caçador nos mostra isso: dois caçadores num safári encurralaram um leão que, em vez de atacar, girou o rabo e desapareceu no matagal...
     Aterrorizado, um dos caçadores gaguejou: "Você vai na frente e vê para onde ele foi. Vou voltar e ver de onde ele veio." Muitas vezes reagimos como esse caçador. Os problemas de amanhã são desconhecidos; podem causar novos sofrimentos. Os de ontem estão superados; ainda são dolorosos mas o sofrimento é familiar, quase confortável.

     "Irei a qualquer lugar, desde que esteja à minha frente." Essa é uma idéia nem sempre possível na prática. Há momentos em que precisamos dar um passo ou dois atrás para nos orientarmos. Mas nossos impulsos de vem estar na frente, nossos instintos devem ser pelo avanço. Lembre-se que a vida é desenvolvimento e, ao parar de nos desenvolvermos, ao temermos o novo, negamos a vida.
* * *
     O décimo obstáculo é a ilusão do sucesso. O sucesso é uma deusa caprichosa. Muitos de nós somos iludidos por um acontecimento, uma realização. Tem todas as marcas de sucesso, ou outros agem como se fosse sucesso; mas não nos satisfaz. Nós damos de ombros às nossas dúvidas; concordamos haver chegado; vestimos uma máscara e aceitamos a elevada opinião popular acerca de nós. Neste ponto paramos de tentar sermos nós mesmos. Recebemos elogios ou dinheiro, o identificamos com a felicidade e presumimos que o sucesso seja nosso. Qualquer realização posterior parece desnecessária. Abdicamos o direito de prosseguir até o verdadeiro sucesso.

     Napoleão certa vez disse: "o momento mais perigoso vem com a vitória". A conquista do sucesso é mais precária quando aparenta ser permanente. Instala-se um excesso de autoconfiança; e quando um novo problema aparece ficamos perplexos e amargos: como posso ter problemas agora se já fui bem-sucedido?
     A resposta é que o sucesso sendo caprichoso, deve ser continuamente cortejado; não pode ser conquistado para sempre.
     A vitória perde seu valor a menos que a utilizemos para fins ainda maiores. Talleyrand disse: "um homem pode fazer tudo com uma espada, menos sentar em cima dela". O mesmo se aplica ao sucesso.
Fonte: "A UNIVERSIDADE DO SUCESSO, de OG MANDINO"




Nenhum comentário:

Postar um comentário