sábado, 6 de novembro de 2010

Quem Realiza Seus Sonhos É Você Mesmo

Ter objetivos determinados na vida é fundamental para se alcançar o sucesso. É tão difícil atingir um destino que você não tem, quanto voltar de um lugar que você nunca foi. Quando você traça uma meta, você está trabalhando na construção do seu próprio destino.
     Você sabe a diferença entre um sonho e uma meta? Vejamos: se você pegar um sonho e determinar uma data para ele se concretizar, ele se torna uma meta. Sabe aquele livro bom que você comprou, pôs na prateleira e que “algum dia” irá ler? Ele está empoeirado há anos porque “algum dia” não existe no calendário. É um dia que nunca vai chegar. Se você dissesse: vou lê-lo até o final do mês, você arrumaria tempo para fazê-lo, Mas como você diz que algum dia irá lê-lo, seu subconsciente responde: perfeitamente, quando algum dia chegar, nós leremos o livro.
     Você acha que alguém chega por acaso ao topo do Monte Everest, sem planejamento? É claro que não. Para chegar lá, é preciso planejar cada detalhe, uma preparação de aproximadamente quatro anos, milhões de dólares e muita tecnologia. Sem isso, a pessoa morre no caminho. Sem planejamento, é quase impossível atingir grandes metas.
     Nosso cérebro não foi treinado para planejar. Muitos pensam que dá muito trabalho. Na verdade, planejar é fácil, chega a ser um divertimento. Basta treinar.
     Vejamos também a diferença entre meta e finalidade. Se estou em Nova Iorque e decido ir a Chicago, a cidade de Chicago é uma meta que eu atinjo. Se estou em Nova Iorque e desejo ir para oeste, chegando a Chicago não termina o oeste.
 Sempre haverá oeste para ir – isto é finalidade. Se você descobre qual a sua finalidade de vida e alinha suas metas de acordo com elas, o universo conspira a seu favor!
     Outro segredo a respeito de metas é saber balanceá-las. Inicialmente, você tem que ter um corpo sadio para carregar uma mente sadia. Não adianta você ter uma mente brilhante se o seu corpo estiver doente. Mas isso não implica preocupar-se somente com uma meta física. Quem faz ginástica todo dia e não pensa em mais nada, quando chega aos 40 anos e vê que o corpo começa a deteriorar, sofre grande depressão. Como não estabeleceu outros objetivos, sua vida perde a finalidade.
     Nós vivemos num mundo material. É preciso então ter uma meta financeira. Mas o dinheiro, paradoxalmente, não vale nada. Dinheiro só serve para fazer coisas que não dependem essencialmente dele. Se você não tiver outras metas na vida além do dinheiro, acaba escravizado pela obsessão de ganhá-lo, sem realimentar suas energias, e isso geralmente culmina em um infarto.
     Outra meta a almejar é a social. O homem precisa viver em comunidade. Por outro lado, não se deve fazer como algumas pessoas fazem, e ficar pulando de festa em festa, borboleteando daqui para lá. É preciso ter raízes para estar bem firmado em seu eixo.
     A meta profissional também é muito importante. Mas se você viver só para isso, achando que só a carreira interessa, e se aquela promoção que você espera não vier, abre uma boa brecha para um câncer aos 40 anos.
     Há pessoas que se dedicam só à família, mais nada. Ter somente meta familiar também não resolve. Os filhos crescem, vão embora, e aí, como é que fica? Acontece o que se chama hoje de a “síndrome do ninho vazio”. É o caso da mulher que se dedicou aos filhos a vida inteira, e não fez nada mais, esqueceu-se completamente de realizar-se a si própria. Os filhos cresceram - todos crescem - , saíram de casa e, agora, a mulher não tem como preencher o seu tempo.
     Você não pode obter o bastante daquilo que você não quer.
Você tem que ter uma meta espiritual: é muito importante saber relaxar e entrar em contato com outros níveis de consciência. Mas não é possível ficar fazendo isto o dia inteiro. Nós temos um corpo para cuidar. Se não der atenção à matéria, suas condições de vida no mundo se desequilibram, a começar pela sua saúde. Aonde você quer chegar espiritualmente deste modo, em total desequilíbrio?.
Trechos do livro O Sucesso Não Ocorre Por Acaso, do Dr. Lair Ribeiro


Nenhum comentário:

Postar um comentário