terça-feira, 6 de maio de 2014

O INSONDÁVEL MISTÉRIO DO SER XXV


O INSONDÁVEL MISTÉRIO DO SER.
EU SOU, LUZ, SAÚDE PLENA E PAZ!”
XXV
Átomos... Ou Semideuses?
Continuando a Viagem pelo Oceano da Vida!

Nesta Nau chamada Corpo!
Na convivência familiar ou social nada mais somos do que visitantes diários de variadas agregações que nos facultam gradativamente a evolução de conceitos que aprimorarão nossas personalidades para que sejamos capazes de nos libertarmos daqueles conflitos que normalmente aconteciam no inicio da Viagem e que tinham em muitos casos formas pesadas de convívios e a própria existência parecia ser algo desconfortável como se fosse mais um fardo a ser carregado do que uma disciplina a ser buscada para consecução da evolução em curso. Estas visitas acontecem por necessidade de crescimento e desenvolvimento em todos os sentidos da vida, fazendo com que sejamos mais coerentes com as condições que determinamos que sejam as nossas mestras provadoras no campo das manifestações. As escolhas que fazemos para sermos sabatinados é que se moldarão segundo deliberada vontade e mérito de avanço no campo anímico/consciencial e cada prova vencida, fará com que a próxima venha com mais rigor e com mais solicitação de respostas aos campos da perfeição e será neste intercâmbio entre as variadas e diferentes agregações energéticas implexas na decorrência de nossa vida cotidiana que nos moldam comportamentos para irmos pouco a pouco aprendendo como agir e interagir com estas Energias diferenciadas sem mais nos criarem e criarmos conflitos internos e externos fazendo com que se manifestem acontecimentos desagradáveis que nos tiram o sossego e o afastamento daquele convívio harmônico e saudável que tanto esperamos alcançar.
Este estágio da navegação representa simbolicamente a classe escolar que nos alfabetiza para o desenvolvimento da intelectualidade só que neste caso será para a leitura vibracional que nos envolve a todos de forma a estarmos presentes em uma Nau Absoluta sem que tenhamos contato físico uns com os outros, “entre aspas”, porque independente de seguirmos correntes diferenciadas e não nos encontrarmos não quer dizer que não estejamos todos na mesma embarcação fazendo, inclusive, parte de uma mesma e única Viagem.
Quando passamos por este ou aquele caminho durante a jornada cada passo dado fica gravado na Alma e tudo aquilo praticado, pensado e sentido fazendo com que o Silêncio da Alma seja um Grito no Escuro de si mesma em busca daquilo que determinamos como Felicidade e Plenitude, quando conseguimos dentro desta escuridão sem precedentes caminhar com segurança e na convicção de que estamos no rumo ideal iremos iluminando cada um dos pedacinhos do caminho avançado, da mesma forma como a embarcação vai sulcando silenciosa às águas obscuras dos Oceanos e mesmo assim vai seguindo em frente sem a certeza de que está totalmente protegida ou livre de enfrentar obstáculos, apenas, vai calando e vencendo em si mesma todas as condições desfavoráveis pela adversidade que normalmente se apresentam, mas, simplesmente, acreditando que nada poderá lhe obstruir o avançar sem a sua permissão.
No empreendimento desta Viagem Cósmica somos a resultante reflexiva das decisões e influências de nossa Egrégora Mãe que tem o dever de nos orientar para uma caminhada segura, da qual jamais conseguiremos nos afastar por muito tempo por serem junções ou elos inquebrantáveis construídos do mais poderoso aço que tem a conotação plena do Conhecimento sólido e não a vã vontade sem a consistência da tenacidade. Por mais distante ou irrupções que façamos em outras egrégora seremos sempre protegidos pela elasticidade deste princípio da Suprema Proteção que nos acompanha sem nos permitir que sucumbamos às intempéries pela falta da percepção baseada em uma compreensão mais elevada. Já falamos sobre as marcas que ficam registradas na Alma e que de tempo em tempos se reapresentam com a finalidade de nos testar a capacidade da repetitividade ou o discernimento para filtrarmos o certo do errado, estes registros são os maiores Mestres de Bordo que temos no interior de nossa embarcação e que durante a Viagem vão orientando-nos, sem interferir no livre arbítrio individual, para que não caiamos no acometimento de erros que serviram de dores e sofrimentos no passado, nesta ou em qualquer outra Viagem que já fizemos em outras reencarnações, em outros corpos.
Nossos Corpos são as Naus ou Naves de Pesquisas que a Alma tem a disposição para que seu interior seja iluminado e trazido à superfície o Inerente Poder Interno segundo a Imagem e Semelhança de um Criador Absoluto e Único.
Para ajuda deste Conhecimento intrínseco e a possível lembrança de como estas marcas foram feitas durante a nossa trajetória existencial se faz necessário que abramos a caixa preta que temos no interior do Cérebro e que está, devidamente, conectada as faculdades de atenção da Alma para que não venhamos a abri-la de supetão evitando desta forma uma reação violenta com relação às lembranças do passado que não somos adeptos a ficarmos remexendo e assim não sofrermos duas vezes a mesma situação adversa. Mas, porque as coisas boas, gostamos de lembrar e normalmente nos servem de nostalgias?
Se, temos a hábito de lembrar as situações boas, precisamos desenvolver a capacidade de revolver o passado para procurarmos compreender nossa existência libertando-nos das faltas cometidas por pensamentos e ações, assim tirarmos as conclusões necessárias para tantos encontros e desencontros que tivemos com o Sucesso em todos os âmbitos da Vida e, principalmente, fazermos, destas respostas, base fundamentada ao seguimento de uma nova vivência.
Memória Mnemônica é o nome da Caixa Preta Registradora que teremos um dia que abrir para encontrar a resposta correta para os questionamentos que fazemos e que nos condiciona a ficarmos nas entrelinhas do subterfúgio para não complicarmos ainda mais nossa caminhada sem uma consciência aflorada na convicção plena daquilo que desejamos trazer a Luz do Conhecimento. Por esta razão, enquanto não estivermos cônscios de nossas responsabilidades para com o que vamos descobrir e cientes de que as descobertas não nos afetarão a Mente e o Corpo, a abertura de tal Livro de Registros não será permitida e, também, não poderemos visitar Egrégoras distantes ou voltarmos a lembranças de vidas passadas por elas carregarem consigo fardos acumulados naquilo que chamamos de Bagagem Cármica a qual não tem nada a ver com “Cobrança”, mas, pura e simplesmente, Aprendizado... Esta é a razão pela qual não podemos visitar o passado, em alguns momentos, não sendo plausível e em outros não sendo desejável por falta de discernimento com a Evolução... Evoluir é lembrar para resgatar e resgatar não é Pedir perdão, mas, aprender a Perdoar e principalmente, a si mesmo! Por não conhecermos a mecânica do Auto Perdão fica mais fácil nos condicionarmos ao esquecimento. Chegaremos lá, ainda somos muito novos!
Assim, seguimos em Viagem, apenas, comungando com as Egrégoras que desenvolvem conosco a mesma rota, seguem as mesmas correntes marítimas ou aquáticas e por serem especiais a cada um não sofrem a interferência de uma nas outras a não ser quando convite feito, então, pode-se penetrar na casa do outro, pois, a Licença foi deliberada pelo proprietário... Seguimos Viagens exclusivas dentro do Grande e Poderoso Oceano da Via em Curso.
Não poderia ser de outra forma, até porque a experiência de um não tem como ser da mesma maneira para o outro, cada um segue na mesma rota, em busca do mesmo porto, mas, em diferente condução permitindo desta maneira que Personalidades sejam diferenciadas garantindo assim uma individualidade absolutamente explicita no sentido da própria palavra. Chegamos à porta de uma nova descoberta, Somos emanações em Imagem e Semelhança de um Grande Poder, entretanto, diferenciadas em expressões para que se estabeleça o critério do alcance do Conhecimento pela busca individual em prol de uma Unicidade que agregará todas as Egrégoras e delas receberá o registro e o resultado da pesquisa elaborada nas internas Instalações do Laboratório Alquímico que cada individualidade representa perante o Cosmos e o Cósmico. Por isso para alguns a Vida sobeja e a outros falta, até o essencial. Prêmio? Castigo? – Não, apenas, experiência prática! Complicado? – Eu sei! – Mas, aqui cai mais um Véu de Isis que obscurece os trechos da Estrada Sagrada e que mantém a humanidade presa ao coitadismo de si mesma...
Toda corrente que seguimos nada mais é do que aquela convergente das disposições mentais com relação as nossas personalidades e crenças criadas durante nossa passagem pela existência.
Podemos por resolução espontânea seguirmos por Mares Tempestuosos ou sulcarmos em Águas Tranquilas e Límpidas, desde que saibamos por quais correntes queiramos conduzir nossas Naus, nesta atitude preencheremos vazios que ficaram em Viagens passadas e determinamos um novo sentido a nossa navegação, realizando uma nova escrita ou registro no Livro da Vida. Podemos afirmar sem sombra de dúvidas que não escolhemos e muito menos seremos escolhidos para percorrer por esta ou por aquela corrente, simplesmente, seguimos por caminhos previamente elaborados durante a jornada os quais irão se apresentando seguindo um padrão específico por afinidade adquirida conforme o avanço da Nau dentro do Grande Oceano, por esta Razão os Rosa Cruzes se relacionam com a grande expressão “PAZ PROFUNDA”, isto não é por acaso... Somos vinculados a estas direções por designações cármicas e quanto mais nos colocarmos a disposição da corrente, mais satisfeitos e felizes nos tornaremos.
A Viagem ascensional só não é feita de forma coerente por todos, por mero descaso das qualidades que cada emanação expressa e não aceita, o Rico não sofre por falta de dinheiro, mas, em muitos casos sofre pela falta da saúde, o pobre sofre por falta de dinheiro, entretanto, em sua maioria tem uma saúde de ferro, esta falta de compreensão é que leva a humanidade a colocar seus barcos em fluxos vibratórios diferentes das suas afinidades e comportamentos, fazendo com que naveguem a deriva por tempo indeterminado, porém, ao se manifestar a compreensão sobre a existência e o porquê de certas condições, é dada a Vida novo sentido e tudo parece mais fácil de ser alcançado.
Esta Viagem Cósmica teve início exatamente no momentum em que DEUS multiplica-se em miríades de formas, dentro as quais uma delas é cada um de nós, fazendo com que se iniciasse naquele instante um novo processo de relacionamento entre DEUS e o Seu UNIVERSO, este procedimento recebeu o Sagrado Nome de a Viagem e nela, desde então, nos encontramos com a finalidade de encontrarmos novamente aquele ponto de partida que ficou esquecido no tempo e no espaço para o qual deveremos retornar, pois, sem medo de estar cometendo heresia dizemos que do Porto de onde partimos a ele deveremos voltar. Este ponto de partida chama-se Essência Primordial ou a Unidade com a qual temos a maior afinidade... Por isso viajamos de Estrela em Estrela até que retornemos para casa. Ser é Viajar ao redor deste imenso Planeta que por ser redondo ou esférico como queiram faz com que fiquemos aqui até a conscientização sobre nossa existência, nossa origem, nosso verdadeiro SER dentro da imensidão destas obscuras Águas Mentais as únicas capazes de nos conduzir com segurança fortaleza e fé pelos caminhos intrínsecos da Alma.
Somos livres para viajarmos por mares desconhecidos em busca deste Conhecimento que nos iluminará, entretanto, também, ficamos prisioneiros nas profundezas destas águas se nos deixarmos deslumbrar pelos ilusórios abismos que se apresentam a frente com todas as suas belezas falsas capazes de nos agrilhoar por milhares de anos e aqui mais uma vez me atrevo a afirmar: assim nos encontramos hoje, prisioneiros de nós mesmos!
Todavia, se nos familiarizarmos com estes abismos passaremos por eles, observando as suas belezas sem permitir que elas nos afetem o Corpo e a Alma, assim poderemos realizar uma vivência criativa, construtiva e muito produtiva no campo da materialidade e no campo anímico uma harmonia plena entre os contrários para que o Equilíbrio perfeito que a tudo controla se manifeste para expressão da verdadeira e única felicidade, ou seja, o absoluto sentido de SER.
Quando nos permitimos seguir pacificamente as correntes energéticas é porque não aceitamos mais as coisas como estão se desenvolvendo e passamos a nos harmonizar com um fluxo do qual seremos condicionados beneficamente a seguirmos por opção no desejo de mudança e neste momento a Alma assume como Timoneira Mor a condução da nossa embarcação.
Enquanto a Viagem for realizada inconscientemente, em muitas ocasiões somos acionados por forças externas e nocivas a abandonarmos a Nau, desta forma nos colocamos em retirada para voltarmos mais tarde em outra embarcação para retomarmos a viagem do exato local de onde paramos, porém, sem a lembrança do percurso já realizado, esta memória só será lembrada quando tivermos acesso à caixa preta aonde se encontra todos os registros como já falei antes.
Cada vez que ocupamos um novo barco no campo das reencarnações somos convidados a seguirmos uma determinada corrente que tem um fluxo de avanço segundo a nossa evolução até o momento, podemos ver estas correntes como grandes oportunidades que temos para continuarmos a buscar evoluir sempre. Podemos sair por um tempo, mas, logo em seguida precisamos retornar para darmos seguimento a Viagem que não poderá ser ou ficar interrompida por muito tempo.
Só temos duas oportunidades de mudarmos de embarcação ou por mérito de crescimento anímico/consciencial, desta maneira é porque a tripulação evoluiu e chegou a um ápice de entendimento que não concilia mais com as demais egrégoras que atuam na mesma oitava vibracional fazendo que por importância de amadurecimento psico/dinâmicos busque novos companheiros em outras Egrégoras Planetárias para continuar sua Viagem Cósmica. A segunda forma é aquela em que não aceitando a evolução continue a sua Viagem muito lentamente percebe que não lhe serve aquele crescer sem sentido, então, pula de embarcação em embarcação acreditando que irá encontrar-se consigo mesmo em outra congregação e na realidade a situação não está com a egrégora, mas, com ele que não consegue vislumbrar a Paz e por isso vive em conflitos íntimos e busca outros afins aos seus momentâneos sentimentos como viajante, porém, em qualquer uma das duas opções jamais deixará de ser um Viajante na Luz. A Grande Verdade para que estas jornadas individuais e intransferíveis sejam coroadas de êxitos está na condição de análise que já falamos, mas, vamos recapitular!
A Viagem que ora empreendemos esta amplamente conectada as nossas formas comportamentos que expressam energias vibracionais a conspirarem ou interferirem no desenvolvimento desta Turnê Anímica, entretanto, elas não têm o poder de interrompê-la, apenas, retardá-la para que o devido acordar da Persona em questão aconteça e coloque a sua embarcação na corrente desejada.
A Personalidade viverá por muito tempo sem este entendimento, até por uma questão de autopreservação em si mesma, porém, não ficará fora da Corrente da Vida por todo tempo, pois, a sua perspectiva interna ou intrínseca é o atingir da Evolução pelo mesclar de si com a Alma Imortal e assim, também, vir a Imortalizar-se no Corpo (sua embarcação) para que se torne no Verdadeiro Viajante no Raio Eterno de sua Luz Perene.
Por mais diferentes que sejamos uns dos outros como partícipes de uma humanidade sem dúvidas nenhuma seguimos o mesmo caminhos, as vezes nos enxergando, outras não, mas, dele não é permitido nos afastarmos por ser parte fundamental da Conexão D+Eus que complementam a Supremacia do Ser Absoluto. Saber perceber esta condição é que nos facultará o discernimento sobre aquilo que realizamos pelo – Quem Sou Eu? – De Onde Venho? E o Para Aonde Vou? Quando conseguirmos responder a pergunta primeira é porque já estamos recebendo permissão para mergulharmos nas Profundezas Misteriosas de Nosso Ser Imortal facultando-nos a bela condição de não Navegarmos mais a Deriva neste Magnífico Oceano denominado Vida.
A Personalidade baixa a sua Guarda e se Mescla a Alma transformando-se em uma Só e ao Humano cabe o Direito Sagrado de sentir-se Senhor de seu próprio Universo passando a partir de então, criar conforme a sua Vontade as desejáveis Correntes Marítimas que o conduzirão com Nau em Viagem aos Portais de Luz, Saúde Plena e Paz, três Portais de Ouro que contém em seus interiores todas as Possibilidades imagináveis fazendo com que o Impossível desapareça para que somente o Viável seja a Sua Realidade Plena.
Um convite neste encerramento: - Façamos com que este barquinho que ora viajemos pelo Universo a fora se transforme em um Belo Transatlântico para que possamos não só sulcar os mares, mas, que possamos dar aos outros a possibilidade viajarem consigo, agregando em si outras Egrégoras e assim, venhamos a realizar a parábola divina que diz: “Onde dois ou três estiverem reunidos em Meu Nome Ali s Serei muito mais Forte”!
Boa leitura a Todos! Sejamos, pois, Naus Conscientes dentro da Corrente que cada um criará para as Suas Viagens Individuais até a Unidade...
Paz Profunda a Todos! É o meu desejo de Viajante da Luz!
EU SOU,
El Pensator!
Carlos Barros.


Nenhum comentário:

Postar um comentário